quinta-feira, 20 de novembro de 2008

A BYBLOS FALIU


A Livraria Byblos, perto do Centro Comercial das Amoreiras, em Lisboa, fechou hoje. Nem sequer esteve um ano em actividade. Faliu!

Dizia-se a maior livraria do País com 150 mil títulos disponíveis. Além da grande variedade de oferta, impressionava o espaço.

Tinha também uma interessante secção de discos e DVDs.

E continuam a escassear as discotecas. No Centro Comercial das Amoreiras, já não há uma única e já lá estiveram a Valentim de Carvalho, a Bimotor, a One Off, pelo menos...

O site da Byblos ficou temporariamente indisponível.

11 comentários:

Anónimo disse...

Mas o que é que estavam à espera? Um projecto megalómano num local praticamente intransitável a peões…Há investidores que às vezes parecem que vivem no mundo da fantasia, deve ser de lerem demasiados livros. Hoje em dia ou é uma loja como a Fnac ou não vale a pena. Vender só livros, alguns discos e dvds, em tantos metros quadrados não é negócio.

Anónimo disse...

Estou completamente de acordo consigo.

Jack Kerouac disse...

Não esquecer a Strauss das Amoreiras, também era uma boa discoteca..

gin-tonic disse...

A "Byblos" foi à falência sem que por uma única vez lá tenha posto os pés. Cheirou-lhe logo mal e o que cheira mal não come. Não fica feliz por uma livaria fechar, bem longe disso, mas aquilo também não era uma livraria era uma megalomania. E essas coisas, mais tarde ou mais cedo, pagam-se. Continuará a frequentar a livraria de bairro onde tem comprado, ultimamente os livros. Para que não venha a lamentar-se como o Jorge Silva Melo com a tal livariazinha de Campo de Ourique...
Recorda-se, um pouco a despropósito, de uma rádio megalómana criada pelos proprietários da Strauss que metia uma série de caras e craneos do "métier" e que, se bem se lembra, não demorou um mês...

Karocha disse...

O meu rapaz mais velho, foi lá uma ou duas vezes quando tinha tempo para passear pelas livrarias.
Agora e devido à profissão que tem ,vem tudo pela amazon, os livros técnicos em Portugal são muito caros!

ié-ié disse...

O que cheira mal não come? Não acredito! E os queijinhos?

Fui algumas vezes à Byblos. Reconheço que era um projecto megalómano, mas sentia-me muito lá dentro e, claro, tenho pena que tenha falido. O destino estava traçado, é certo, mas não deixa de ser incomodativo.

LT

paulo disse...

Portugal não é país de livrarias, nem de discotecas...

Ainda andam enganados?

Karocha disse...

Eu não ando enganada!

Por isso mesmo é que neste momento estou nos blogs de politica...

soares disse...

em Portugal, tudo o que não é em Centro Comercial, começa bem e acaba mal.

óscar disse...

Como o futuro é dos nichos

Ouvi na TSF esta notícia:

Primeira livraria só de poesia nasce no Bairro Alto

Nasceu em Lisboa, esta segunda-feira, a primeira livraria dedicada em exclusivo à poesia. O proprietário da “Poesia incompleta” propõe-se vender livros novos, raros e esgotados de centenas de poetas em mais de 20 línguas.

Mário Guerra, o proprietário da nova livraria, que também se assume como empregado, leitor e «senhora da limpeza», explicou à TSF que a ideia de abrir um estabelecimento de venda exclusiva de poesia surgiu de uma «vontade de reunir no mesmo espaço a mais alta produção poética literária portuguesa e estrangeira».

A “Poesia incompleta” situa-se no nº 11 na Rua Cecílio de Sousa, no Bairro Alto, entre a zona do Príncipe Real e a Praça de Flores, junto à Assembleia da República

Karocha disse...

Pelo que li aqui
http://irmaolucia.blogspot.com/2008/11/bymblos.html
Cheira-me a outra golpada à tuga (a falência ou pseudo) se bem entendi!