sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

REGRESSO AO LOCAL DO CRIME 17


As caixas de charutos estavam em cima da lareira de mármore e Popinga escolheu um com lentidão, fungando, fazendo estalar o tabaco, porque é uma necessidade quando se quer saborear um charuto, e também porque sempre fez assim.

Georges Simenon em O Homem que Via Passar os Comboios, Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1990

Colaboração de Gin-Tonic

PRIMEIRA CAIXA DE GEORGE HARRISON


É de 2004.

BLITZ: 30 ANOS


BLITZ, Novembro de 2014, 3,90 €

Trata-se da edição especial dos 30 anos do BLITZ.

Entre outros assuntos de interesse, a revista publica uma lista dos 30 melhores álbuns portugueses dos últimos 30 anos.

Eis o Top 10:

01 - Humanos - Humanos (2004)

02 - Psicopátria - GNR (1986)

03 - O Monstro Precisa de Amigos - Ornatos Violeta (1999)

04 - Canção Ao Lado - Deolinda (2008)

05 - Galinhas do Mato - José Afonso (1985)

06 - Coisas Que Fascinam - Mler Ife Dada (1987)

07 - Mar d'Outubro - Sétima Legião (1987)

08 - Só - Jorge Palma (1991)

09 - Escritor de Canções - Sérgio Godinho (1990)

10 - Rosa Carne - Clã (2004)

Discutível, como qualquer outra lista...

"HALLOWEEN PORTUGUÊS"


Lenga-lenga às portas das residências no Bairro Marechal Carmona, em Coimbra (anos 60), com uma abóbora na mão e uma vela acesa dentro (parecida com a imagem).

Se não houvesse abóbora, servia uma caixa de sapatos...

Levava-se também a saca do pão (das Mães) para guardar as oferendas.

bolinhinhos e bolinhós
para mim e para vós
para dar aos finados (sepultados)
que estão mortos e enterrados
à porta da bela cruz
truz truz truz
ó senhora que está lá dentro
sentada num banquinho
faz favor de vir cá fora
p'ra nos dar um bolinhinho (ou tostãozinho)Se a resposta fosse positiva:

esta casa cheira a vinho
aqui mora um anjinho (santinho)

esta casa cheira a broa
aqui mora gente boaSe a resposta fosse negativa:

ferrão, ferrão
esta casa vai ao chão

esta casa cheira a unto
aqui mora algum defunto

tráz tráz
aqui mora o Satanás

esta casa cheira a alho
aqui mora um espantalho

esta casa cheira mal
aqui mora um animal

Um "halloween português" muito antes de haver a actual mania, estapafúrdia.

PONTE D. LUÍS I (PORTO)


Foi inaugurada faz hoje 128 anos...

UM BUSILIS...


Um verdadeiro busílis: qual a melhor marmelada de Lisboa?

A da Cistér, à esquerda, ou a do sr. Rodrigues (Cafetaria Mais Vale, rua dos Soeiros, Lisboa), à direita?

A da Cistér custa 5,50 €, a do sr. Rodrigues 8,50 € (com devolução de 1,50 € da taça).

Gosto de ambas, mas a do sr. Rodrigues é capaz de levar a palma.

UMA IDEIA CURIOSA...


Colombo, Lisboa.

quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

REGRESSO AO LOCAL DO CRIME 16


A Comissão de Saúde de Londres recomendou ao presidente da câmara, Boris Johnson, que proíba o fumo nos jardins, parques e praças da capital britânica, como Trafalgar Square, ou Hyde Park.

Se esta recomendação der origem a nova legislação, Londres tornar-se-á a segunda cidade do mundo a proibir o fumo em espaços ao ar livre, depois de Nova Iorque, em 2011.

Em Nova Iorque, para além de ser proibido fumar em locais fechados, como bares e restaurantes, o mayor Michael Bloomberg conseguiu que a proibição abranja locais ao ar livre, como parques e praias da cidade.

Em Nova Iorque existem 22,5 km de praias e mais de 1.700 parques e áreas de jogos, entre eles o famoso Central Park.

Recentemente, o mayor Bloomberg encetou uma outra luta: o direito a fumar em casa pode vir a ser regulamentado em Nova Iorque

Caso o projeto de regulamento seja aprovado, os inquilinos deverão ser informados, por escrito, antes da assinatura do contrato de arrendamento, se têm direito a fumar no interior do apartamento, nas varandas ou nos terraços.

Na cidade que não dorme, fumar tornou-se uma actividade clandestina.

Tempo para repescar uma história já por aqui contada:

Querem saber o que me aconteceu? Pois estava em casa sossegado a trabalhar ao computador e a fumar um charuto quando tocaram à campainha. Era a vizinha. Gira, por sinal. Quando abri a porta ela começou logo a censurar-me por estar a fumar. Garante a vizinha (gira, por sinal) de que o meu charuto empesta a casa dela, que fica do outro lado do corredor, separada por duas portas grossas (uma da conduta do lixo) e pelo elevador. Que não pode ser, diz a vizinha (gira, por sinal), que eu não posso fumar num prédio deste requinte (moro no Parque dos Princípes, que, segundo me contam, é uma "zona bem" de Lisboa. A vizinha gira ameaça correr-me do prédio numa reunião de condóminos se eu não parar de fumar...

Ainda balbuciei que não fumo cigarros, que só fumo um charuto quando o "rei faz anos", tentei dizer que estava em minha casa, essas coisas, mas ela não me deu chance. Ou páro de fumar ou tenho-a à perna (o que não será totalmente desagradável, até porque ela fica ainda mais gira quando se zanga).

Agora estou apavorado. E se ela descobre que sou judeu? Judeu e fumador ocasional de charutos. Devo passar a usar uma estrela amarela para poder frequentar "um prédio deste requinte"? Serei digno de Telheiras? Onde vou eu a esta hora encontrar uma estrela amarela?


Peço aos meus amigos que liguem de vez em quando para o telemóvel. Que me procurem em casa a ver se estou bem. Corro perigo de vida. Ouço ruídos suspeitos no átrio do prédio. Eles vêm aí para me pegar. A mim, o cavernícola que fuma charutos no seu próprio lar, de porta fechada e longe do olhar de toda a gente. SOCORRO!

Rui Baptista no blog Amor e Ócio

Colaboração de Gin-Tonic

EKOS


Ekos, conjunto português no género dos Beatles e Shadows.

NOVA EDIÇÃO DOS LED ZEPPELIN


ATLANTIC - 8122-79582-7 - reedição (2014)

The Song Remains The Same - The Rain Song - Over The Hills And Far Away - The Crunge - Dancing Days - D'yer Mak'er - No Quarter - The Ocean

Um segundo CD apresenta versões alternativas a estas canções.

Na minha perspectiva é o melhor álbum da banda ou então é o LP de que mais gosto.

"D'yer Mak'er" é genial!

A capa, da Hipgnosis causou polémica, pelas crianças nuas.

TRAVELLER CAFFÉ


Rua Passos Manuel, 165, Porto

Numa cidade onde quase tudo fecha ao Domingo, é bom saber que, ao menos, há um café aberto...

quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

REGRESSO AO LOCAL DO CRIME 15


E do meio do mundo prostituto
Só amores guardei ao meu charuto!
E que viva o fumar que preludia
As visões da cabeça perfumada!
E que viva o charuto regalia!
Viva e tremula nuvem azulada,
Onde s'embala a virgem vaporosa!
Viva a fumaça lânguida e cheirosa!
Cante o bardo febril e macilento
Hinos de sangue ao poviléu corrupto,
Embriague-se na dor do pensamento,
Cubra a fronte de pó e traje de luto:
Que eu minha harpa votei ao esquecimento
Só peço inspirações ao meu charuto!

Álvares de Azevedo, poeta brasileiro

Colaboração de Gin-Tonic

OBSCURED BY CLOUDS


SIERRA - 1780 - edição turca (1978)

Com uma bela foto dos Queen na capa!

Colaboração de Pedro Brandão, em Ankara

FEAR FOURS


FONTANA - promo use only not for resale - 1999

Quando do lançamento deste álbum, entrevistei Lou Rhodes em Dublin, no dia 18 de Março de 1999, e pedi-a em casamento, sem sucesso.

CINEMA ÉDEN (ALCÂNTARA)


Na rua do Alvito, em Alcântara, Lisboa, onde hoje está o restaurante O Retiro do Chefe Costa, esteve outrora o cinema Éden (não confundir com o outro Éden, nos Restauradores).

É o edifício mais à esquerda.

MERCADO BOM SUCESSO


Mercado Bom Sucesso, Porto.

Do meu ponto de vista, o Porto tem aproveitado melhor os seus mercados do que Lisboa.

Este, do Bom Sucesso, ganhou o Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2014.

CADERNO VERMELHO


"Caderno Vermelho", Revista do Sector Intelectual de Lisboa do PCP, nº 22, Setembro de 2014, director - Manuel Gusmão, 6 € nos Centros de Trabalho.

A capa apresenta um excerto do mural colectivo da sede nacional do PCP.

Textos de Manuel Gusmão, Carlos Aboim Inglez, Manuel Augusto Araújo, António Gervásio, Samuel Quedas, Joana Dias Pereira, entre outros.

terça-feira, 28 de Outubro de 2014

REGRESSO AO LOCAL DO CRIME 14


O Conselho Nacional para a Prevenção do Tabagismo, que estabeleceu uma relação entre o tabagismo e a produtividade profissional, indica que um fumador faz, em média, 80 minutos de pausas diárias para fumar num dia de trabalho.

Uma pessoa que fume um maço de tabaco por dia faz, em média, cerca de oito pausas de 10 minutos durante uma jornada diária de trabalho de oito horas, despendendo 80 minutos, o equivalente a mais de 10% das horas de trabalho.

Um em cada quatro portugueses é fumador (2,5 milhões), que, em média, fumam 14 cigarros por dia.

Em Espanha 1/3 dos trabalhadores fumam.

António Meténdez, médico espanhol, fez contas e concluiu que um trabalhador sai mais caro à empresa desde a aprovação da Lei Antitabaco de 2006:

- Como antes não saíam do seu posto de trabalho para fumar, não havia perda de produtividade.

- Um fumador custa à sua empresa 2078 euros por ano.

- 73% deste custo (cerca de 1500 euros) corresponde à perda de produtividade do tempo perdido  a fumar. O restante, 500 euros) é o valor dos quatro dias a mais que, em média, os fumadores faltam ao tbalho em relação soa seus colegas não fumadores. Estimando que os trabalhadores fumam, em média, 2 a 4 cigarros durante o dia de trabalho, perdendo entre 6 e 12 minutos com cada cigarro, conclui que cada trabalhador passa 30 minutos diários do seu horário de trabalho a fumar.

O estudo «Opinião da População Portuguesa sobre o Tabaco e o Cancro do Pulmão (Novembro de 2011) revelava que problemas no trabalho e na família, eram dois motivos para que ex-fumadores retomassem o hábito.

Colaboração de Gin-Tonic

TRIPES PARA NUNCA MAIS ESQUECER


ISLAND -   ILPM 9570 - edição original (1979)

Side One

Broken English – Witches' Song – Brain Drain (Brierley) – Guilt (Barry Reynolds)

Side Two

The Ballad Of Lucy Jordan (Silverstein) – What’s The Hurry (Joe Mavely) – Working Class Hero (John Lennon) – Why D’Ya Do It

Provavelmente vai adiantar-se ao dono do Kioske, mas não resistiu.

Longínquas, e sempre presentes, lembranças da voz e das canções de Marianne Faithfull, ouvidas num velho gira-discos em que os altifalantes serviam de tampa do dito.

Um disco fabuloso, essa canção espantosa que é «Ballad Of Lucy Jordan» que Marianne diz ser a melhor canção que compôs – mas ela tem tantas mais! - e que não por acaso acompanha parte das loucuras de Susan Sarandon e Geena Davis em «Thelma & Louise», filme de Ridley Scott.

Para lançar «Give My Love To London», último trabalho de Marianne, o «Ipsilon» invocou meio de século de pecado e em que Marianne diz que a sua voz está muito melhor desde que deixou de fumar.

Mas os vícios tornam as canções mais reais, concluiu em tom de provocação, sua eterna imagem de marca.

Disso mesmo se lembra Lucy Jordan com o entardecer a bater nos seus olhos.

Deu-lhe um grande gozo voltar a ouvir o vinil, riscadinho q.b.

E em tempo de pecados nada melhor que percorrer as diversas tiradas que Keith Richards,  na  sua «Life», deixa sobre Marianne Faithfull.

Como esta:

Só depois disso chegaram os dois a Tânger, acompanhados da Marianne, que ia ter com o Mick a Marraquexe. O Brian estava tão combalido que a Anita e a Marianne, qual competentes enfermeiras, tiveram a brilhante ideia de lhe dar ácido no avião, para ver se ele arrebitava. Elas próprias acabavam de passar uma noite em branco e a ácido. Quando finalmente chegaram a Tânger, um incidente junto à loja do Ahmed instalou o pânico. O sari da Marianne (única peça de roupa que trazia vestida) ficou preso algures e desenrolou-se, deixando-a subitamente nua no casbá.

Abençoada.

Colaboração de Gin-Tonic

O QUE ACONTECEU NO MUNDO?


... no dia em que saiu o primeiro disco português de rock?

RISO E RITMO


"TV", nº 131, 28 de Outubro de 1965, director - Eduardo Freitas da Costa

Neste número falava-se da 1ª transmissão do programa de variedades "Riso e Ritmo", com Mariema, Helen Del e Raul Solnado.

Com realização de Luís Andrade, participaram também Jorge Costa Pinto, Eugénio Pepe, Ana Lorena, Manuela Maria e Leonor Poeira.

Deverá ter sido por todo o mês de Outubro.

CINEMA MUNDIAL


Sala localizada no nº 12 A da Rua Martens Ferrão (Picoas, Lisboa) e inaugurada em 1964. 

Foi uma das salas mais populares a seguir ao 25 de Abril, por causa da programação de filmes polémicos. 


Foi lá que vi dois deles, até hoje inesquecíveis (por razões diversas): o "Saló", do Pasolini, em Setembro de 1976 e em Fevereiro de 1977 a 2ª parte do "1900" de Bertolucci (a primeira correu, em simultâneo, no cinema São Jorge). 


Mais tarde o cinema dividiu-se em 3 salas, mantendo-se a antiga plateia como a maior delas. 


O Mundial foi sabendo sempre adaptar-se enquanto à sua volta iam crescendo os arranha-céus e as superfícies comerciais e se multiplicavam as torres de escritórios. 


Entrou no novo milénio já sem a afluência de outros tempos, e em 2004 acabaria por encerrar e perder a guerra com os complexos multi-salas dos centros comerciais que foram abrindo na zona. 


Em 2005 foi convertido para espectáculos teatrais mas a partir de 2006 deixou de ter um programa contínuo, encerrando quase em definitivo.


In Rato Cinéfilo

PS - a imagem foi obtida no dia 27 de Outubro de 2014.

RSTAURANTE ANGELUS


Praça Duques de Palmela, 11, Santana, Sesimbra - 212 681 340

Provavelmente o melhor fondue de carne do País, provavelmente também o primeiro do País.

O Angelus foi inaugurado em 1967 e deve o seu nome ao seu fundador, um cozinheiro galego chamado Ângelo, mas antes, em 1957, era um café aberto por Teodoro Gomes Alho, dono e construtor do prédio, empresário da construção civil.

O restaurante teve uma segunda inauguração no Domingo de Páscoa de 1973 (22 de Abril), após a renovação do espaço com tectos em madeira, paredes salpicadas e toalhas amarelas (como se vê na imagem), segundo referiu a este blogue o seu actual proprietário Pedro Chagas.

Penso que foi um dos primeiros fondues em Portugal. O Ângelo trabalhou na Suiça onde viu vários fondues e resolveu introduzi-los no seu restaurante, acrescentou.

Ainda hoje é o prato estrela do restaurante,  precedido de duas entradas: gambas ao alhinho e/ou ameijoas na cataplana.

Pedro Santana Lopes, António Vitorino (políticos), Helena Laureano, Paulo Rocha, Fernando Mendes (actores), Octávio Ribeiro, Carla Trafaria, João Tomé (jornalistas), Costinha (treinador), Manuel Vilarinho (antigo presidente do Benfica) são algumas das personalidades que já frequentaram o restaurante.

Nos primeiros 4/5 anos, o restaurante era um misto de café, restaurante e pastelaria. Servia muito poucas refeições a caixeiros-viajantes que paravam para almoçar. Os jantares eram sempre a zero. 

O Ângelo, através de um amigo, Rafael Monteiro, intelectual sesimbrense, convidou Vera Lagoa para uma refeição, servindo-lhe gambas ao alho e fondue.


Vera Lagoa adorou a refeição e escreveu uma crónica no "Diário Popular". No dia em que o artigo saiu, o Angelus deu 20 jantares, quando antes não dava um único.


Além do Angelus, a família Chagas, proprietária do restaurante de Santana desde 1990, tem ainda o Ribamar, Pedra Alta e Ribas Sushi Bar, em Sesimbra, e o Ribamar Tróia, na marina de Tróia.

RUA VIRIATO


Rua Viriato, Lisboa: provavelmente a única artéria da capital, quiçá do País, onde a circulação rodoviária se faz pela esquerda.

RESTAURANTE ERNESTO


Rua da Picaria, 85, Porto

Um dos melhores da cidade, acho eu!