sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

ÚNICO EP DOS TUBARÕES (1968)


ALVORADA - EP-60-999 - 1968

Poema Do Homem-Rã (António Gedeão/Waldemar António) - Baby It Hurts (Alexandre Merino) - Lucky Day (Alexandre Merino) - Você Vai Chorar (Alexandre Merino/Victor Barros)

Os 6 Tubarões que gravaram este único EP foram Carlos Alberto Sá Loureiro (órgão), Victor Barros (viola-ritmo), Luís Alberto Dutra (viola-baixo), Alexandre Merino (voz), Waldemar António (viola-solo) e Eduardo Pinto (bateria).

Os Tubarões formaram-se em Viseu no último trimestre de 1963 com António Nogueira Fernandes (único que sabia tocar guitarra), José Alexandre Merino (voz), Victor Barros (viola e voz), Luís Alberto Dutra (baixo) e Eduardo Pinto (bateria).

A primeira apresentação pública foi em São Pedro do Sul, com instrumentos emprestados pela banda de Lafões.

Durante o ano de 1964, o conjunto rodou nas Termas de S. Pedro do Sul, ensaiando canções dos Shadows, de Cliff, dos Chat Sauvages, dos Beatles na antiga FNAT, actual INATEL, e conseguindo o primeiro contrato profissional na boîte "A Mó", em cima do rio Vouga.

Ainda em 1964, já com Carlos Alberto Homem Sá Loureiro (teclas), os Tubarões participaram na inauguração do Hotel Grão Vasco, ainda hoje um dos melhores da cidade de Viseu.

No final desse ano, os Tubarões eram então formados por António Nogueira Fernandes (guitarra), Victor Barros (viola-ritmo), Luís Alberto Dutra (viola-baixo), Eduardo Pinto (bateria), Carlos Alberto Sá Loureiro (teclas) e José Alexandre Merino (voz).

No primeiro trimestre de 1965, os Tubarões deram um grande salto qualitativo com os investimentos do empresário viseense António Xavier Homem de Sá Loureiro, pai do teclista Carlos Alberto e em Abril já tocavam no intervalo da exibição da película "Summer Holiday", de Cliff e dos Shadows.

No Verão, em Julho, foram à Figueira da Foz inaugurar o restaurante "O Tubarão", propriedade de um empresário viseense, o que os levou a um contrato interessante de dois meses com o Grande Casino Peninsular, onde actuaram ao lado de Gelú, I Don Giovanni, Duo Ouro Negro, Madalena Iglésias...

E em 1965, entra mais um elemento para o grupo, a Dona Urraca, uma carrinha de transporte do equipamento.

Com Joaquim Guimarães na guitarra, os Tubarões participaram no dia 09 de Outubro de 1965 na 7ª eliminatória do Concurso Ié-Ié, no Teatro Monumental, em Lisboa, tendo ficano no 2º lugar imediatamente atrás dos Sheiks e à frente dos Galãs (Porto), Czares (Aveiro) e Jovens do Ritmo (Amora-Seixal).

Apresentaram-se com "Miss Molly", "Eight Days A Week", "Mike", de Trini Lopez, e "Ya Ya", envergavam fato azul, camisa branca e laço preto.

Eram então Luís Alberto Dutra, viola baixo, 18 anos, Joaquim Guimarães, viola solo, 20 anos, José Alexandre Merino, vocalista, 17 anos, Eduardo Pinto, bateria, 18 anos, e Carlos Alberto Sá Loureiro, órgão eléctrico, 16 anos.

E no dia 15 de Janeiro de 1966, no mesmo local, classificaram-se no 3º lugar da 2ª meia-final, atrás dos Saints (futuros Claves), que viriam a ganhar o Concurso, e dos Jets (Lisboa) e à frente dos Cometas Negros (Castelo Branco), Kímicos (Lisboa) e Boys (futuros Álamos), de Coimbra.

Tocaram "Satisfaction", "Goodbye My Love", "I Feel Fine" e "It's My Life" e, a pedido, "Voo do Moscardo" num encore inédito.
A final realizou-se no dia 30 de Abril de 1966 e os Tubarões ficaram em último lugar depois dos Claves, Rocks, Night Stars, Jets, Ekos, Chinchilas e Espaciais.

Maria Leonor, famosa locutora de Rádio e TV, assume-se como madrinha do grupo, contratando-o Conjunto Oficial Woolmark, dando apoio nas passagens de modelos organizadas por todo o País.

No Verão, além do Casino da Figueira, os Tubarões faziam sortidas à Praia de Mira onde tocavam no Mira-Sol com os Kzares, de Aveiro.

O ano de 1967 foi igualmente de muito trabalho para os Tubarões.

Em Lisboa, o conjunto passou a ter um representante, Fernando Matos (O Pascoal), além de amigos como Rui Oliveira Costa, viseense a viver em Lisboa e ao tempo manager dos Deltons, de Luís Moutinho, filho de Maria Leonor.

Pascoal, através de Pedro Castelo, consegue um contrato para os Tubarões actuarem num fim de semana no "Caruncho”, em Lisboa, provavelmente a mais famosa boîte da época.

No Verão, o conjunto volta a fazer uma residência no Casino da Figueira da Foz e, perto do final do ano, assinou contrato discográfico com a Alvorada e gravaram o único EP nuns estúdios do Campo Santana, em Lisboa, e que viria a ser editado no Carnaval de 1968.

O serviço militar obrigatório viria a acabar com os Tubarões em Setembro de 1968.

Fonte: http://blogs.myspace.com/tubaroes

8 comentários:

Anónimo disse...

E os Tubarões (CV) do Ildo Lobo ???

ié-ié disse...

Tenho a "Tabanca" toda autografada pelos próprios, depois de ter dançado à frente deles com Isabel Soares na Cidade da Praia em 1986.

LT

Camilo disse...

Dos "TUBARÕES" (do Ildo Lobo) tenho (quase) todos...
Por acaso, hoje, (como é hábito) estive com o Mário... o primo do Ildo.

Eduardo F. disse...

Lá está, mais um conjunto dilacerado pelo machado da guerra...

etarra disse...

o luis dutra era meu vizinho. lembro-me bem destes tubarões viseenses. ensaiavam na rua alexandre herculano 447 bem perto da n/ casa. o zé merino faleceu recentemente vítima de cancro nos pulmões. tinha uma voz excelente.

Conjunto Os Tubaroes disse...

No 447 da Rua Alexandre Herculano, casa dos Pais do Toninho Matos na Quinta do Cano, fizemos em todo o R/C um estúdio onde tinhamos todos os instrumentos montados(+-70 m2), onde ensaiavamos e onde convivíamos. O tecto e as paredes do Estúdio foram forrados por uns cobertores de papa, que tambem cobriam o chão de cimento. E foi importante este estúdio que nos dava grande autonomia para trabalharmos quando precisavamos. E os ensaios eram uma festa ...
O Tubarões

etarra disse...

e que festa. com muitas festas......

fernando.rodrigues.almeida disse...

Também passei bons momentos, a convite do saudoso Zá Merino, nesse lugar da meia-laranja, como também era conhecido e onde morei, enquanto estudante.