quarta-feira, 11 de junho de 2008

ERIC CLAPTON E O MATEUS ROSÉ


Era uma casa de excessos . Passávamos horas e horas a ouvir música e a beber Mateus Rosé, substância muito propícia à enxaqueca, mas que eu adorava.

Por vezes, entrávamos em autênticas orgias de riso, a propósito sabe-se lá de quê (...) desatávamos a rir histericamente, até se tornar numa coisa completamente incontrolável.

in "Autobiografia", Eric Clapton, Casa das Letras, 2008, pág 78

2 comentários:

Bobbyzé disse...

Nestas historias de bebidas, os ingleses sempre tiveram muito mau gosto, nao acham?
Calma meus! O chà e o vinho do Porto isso jà foi com a geraçao anterior!!!
Hà 3 semanas atràs, vi LANCERS em todos os restaurantes que frequentei em ROMA!!!Pobre vitrina do Vinho Português no estrangeiro!!

António Oliveira disse...

Todos os heróis têm os seus pontos fracos. Tal como em Hendrix, estes factos estragam qualquer reputação. Mas no mundo das stars do Rock 'n Roll vale tudo.
Até há quem considere o Mateus Rosé um ícone pop.
Ao que o mundo chegou...