quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

40 ANOS DE MAIO DE 68


O Maio francês de 1968 está a fazer 40 anos. E antes que alguém se antecipe, registo já os títulos de primeira página do "Diário Popular" na época que durou, pelo menos, até Julho.

A primeira notícia surgiu no dia 04 de Maio, na pág. 13, com o título "Paris: A Polícia de Choque contra os estudantes".

A Polícia de choque, com capacetes de aço e empregando bastões de gás lacrimogéneo, travou recontros com estudantes que protestavam contra o encerramento da Faculdade de Letras da Universidade de Nanterre.

Ficaram feridas 4 pessoas, incluindo agentes da Polícia, um deles com o crâneo fracturado.

As autoridades detiveram 527 manifestantes, mas alguns deles foram mandados em liberdade, após interrogatório.

Os títulos de 1ª página do "Diário Popular" foram os seguintes:

11MAI - Violentos tumultos no "bairro latino" de Paris
12MAI - Libertados os estudantes presos em Paris
13MAI - Greve geral em Paris
17MAI - De prevenção 60 mil gendarmes
18MAI - França sem comboios
19MAI - Tensão em Paris: a polícia patrulha as ruas
20MAI - França: ameaça de paralisação total
21MAI - De Gaulle estuda modificação no Governo?
22MAI - Aumentam os grevistas em França
23MAI - Novas desordens nas ruas de Paris
24MAI - Agitação em Paris: novos incidentes no bairro latino
25MAI - Caos na capital de França e repetição dos tumultos em vários pontos da província
26MAI - O patronato parece ter aceitado os aumentos de salários
27MAI - Vastas reformas em França
28MAI - As Centrais operárias francesas consideram insuficiente o acordo que deveria pôr fim às greves
29MAI - Prosseguem as greves em toda a França
30MAI - Espera-se que De Gaulle anuncie ainda hoje importante decisão
31MAI - Movimento de tropas da Alemanha para Paris

01JUN - França: regresso ao trabalho
02JUN - Repetem-se tumultos em Itália e em França
03JUN - Confuso panorama em França: subsistem desacordos entre o governo e os sindicatos
04JUN - A França a caminho da normalidade - muitos trabalhadores regressam amanhã às suas ocupações
07JUN - Os comboios voltaram a circular entre França e Espanha
11JUN - Tumultos em Paris
17JUN - Milhares de operários votam hoje nas suas fábricas sobre regresso ao trabalho
18JUN - Esperam-se para hoje novos regressos ao trabalho
20JUN - França: nova paralisação numa fábrica da Renault
23JUN - Domingo de eleições em França: vantagem dos gaulistas - sugerem as últimas consultas à opinião pública
24JUN - As eleições de ontem em França: gaulistas - maré cheia; esquerdas - dia negro
30JUN - Votação maciça em França

01JUL - Após a estrondosa vitória gaulista, a unidade nacional foi restabelecida - proclama Pompidou
04JUL - A França luta para salvar a sua economia
05JUL - A França já gastou mais de um bilião e 322 mil milhões de dólares para evitar a desvalorização do franco
09JUL - Pompidou demitir-se-á amanhã (afirma-se em Paris)
14JUL - A agitação volta ás ruas de Paris

4 comentários:

josé disse...

Esta é imbatível: em Fevereiro antecipar o Maio e logo com uma capa de época da revista que então já era das melhores do mundo.

Que seria de mim, sem o L´Express ou até mesmo o Nouvel Observateur, em termos de referências revisteiras de actualidades informativas?

Menos do que sou. O L´Express alimentou a minha vontade de saber durante uns anos e levou-me a descobrir outras coisas, com a série de entrevistas L´Express va plus loin avec...

Até digo mais: sem p L´Expresse teria sucumbido aos cantares de sereia do Nouvel Obs, também uma excelente revista.

ié-ié disse...

Jean-Jacques Servan-Schreiber, pois então! A malta do "reviralho" ou da "corda" sempre que podia devorava "L'Express" antes que a PIDE o confiscasse. Se bem me lembro, comprava-se, por exemplo, no Café Monumental. Ainda tenho uns exemplares por aí.

LT

josé disse...

Em Paris na rue des Archives (perto da Notre Dame), há uma loja que se chama Les Archives e que vende publicações antigas. Está na Rede.

O ano passado, disseram-me que tinham lá a colecção do L´Express e também do Nouvel Obs.

Assinei a revista em meados dos oitenta. Guardei todos os números, que tenho empacotados, por causa de mudanças sucessivas. Há vinte anos que não lhes ponho os olhos em cima. E são de vários anos.

Foi na L´Express que li primenro Soljenitsine e devorava todas as entrevistas L´Express va plus loin avec. E até tinha para aí um livro publicado pela Europa América com algumas dessas entrevistas.

Jean-Pierre disse...

Mai-Juin 1968 : au-delà du folklore étudiant, la bourgeoisie française ne s'est pas trompée d'adversaires.

11 juin 1968. Vingt-deuxième journée de grève chez Peugeot à Sochaux. Il est quatre heures du matin. Les ouvriers, qui viennent relever les piquets de grève aux portières, trouvent leurs camarades matraqués. Les forces de police ont reçu l'ordre d'envahir l'usine et d'en chasser les ouvriers par tous les moyens. L'usine devient un champ de bataille. On relève cent cinquante blessés et deux ouvriers morts : Henri Blanchet et Pierre Beylot.