sábado, 31 de julho de 2010

WALLACE COLLECTION


PARLOPHONE - 8 E 016-04388 M - edição portuguesa

Serenade - Walk On Out - Natacha

MIGUEL GRAÇA MOURA


ORFEU - ATEP 6657

Adagio do Concierto de Aranjuez - Valsinha - I Don't Know How To Love Him - Killing Me Softly With His Song

Colaboração externa

DEDICADO A AIDA SANTOS


PHILIPS - 6 029 114 - edição portuguesa

20º Aniversario (Palabras) - Nos Pasaran La Cuenta

sexta-feira, 30 de julho de 2010

ADAMO


LA VOIX DE SON MAÎTRE - EDF 869 - edição francesa

Une Mèche de Cheveux - La Complainte des Élus - Sonnet Pour Notre Amour - Princess Et Bergères

ANN KIRSTEN KENNIS


XL RECORDINGS - XLCD429 - 2010

Horchata - White Sky - Holiday - California English - Taxi Cab - Run - Cousins - Giving Up The Gun - Diplomat's Son - I Think Ur A Contra

Ou os Vampire Weelkend estão dispostos a largar uma nota preta ou esta capa vira peça de coleccionador...

É que a modelo Ann Kirsten Kennis diz que não deu autorização à utilização desta fotografia sua que classifica de "familiar".

O fotógrafo, Tod Brody, alega que se trata de um Polaroid de sua autoria tirado numa sessão de casting em Nova Iorque no Verão de 1983.

Cortesia de Pedro Almeida MVDR

RAPARIGUINHA DO SHOPPING


EMI - 11C 008-40552 H - 1981

Rapariguinha do Shopping - Bairro do Oriente

Colaboração de Pedro Brandão, em Sarajevo

ABRIL EM PORTUGAL


FAMA RECORDS - SLP1001-FR - 1969

LADO UM/SIDE ONE

Lina Varina (Beautiful Fishwife) - Miau-Miau (The Cat) - La Mama (Mommy) - Sob O Céu Do Alentejo (Under Alentejo' Skies) - Malagueña - Lá Vai A Rosinha (There Goes Rosinha)

LADO DOIS/SITE TWO

O Emigrante (The Immigrant) - Valsa do Vaqueiro (Cowboy's Waltz) - Vagabundo (The Tramp) - Nossa Senhora do Leme (Our Lady Of The Tiller) - Fadinho Serrano (Serrano's Fado) - Coimbra (April In Portugal)

Este Trio Litoral actuou com Amália Rodrigues no dia 27 de Maio de 1967, em Newark, NJ.

Dele disse então Amália: sinto-me deveras orgulhosa destes três rapazes e de ter actuado com eles no mesmo programa.

NOVO ANÚNCIO


Colaboração de NC

quinta-feira, 29 de julho de 2010

HELEN SHAPIRO


COLUMBIA - SLEM 2.139 - edição portuguesa (s/data)

Keep Away From Other Girls - Little Miss Lonely - Queen For Tonight - Daddy Couldn't Get Me One Of Those

BEATLES EM HAMBURGO


Por uma qualquer razão que verdadeiramente desconheço, em Portugal descobriu-se agora que os "Beatles fazem 50 anos".

Em primeiro lugar, foi uma exposição que circulou em centros comerciais, agora foi a revista Sábado que também "descobriu" que os Beatles têm meio século de existência.

Que eu saiba, ninguém, até agora, fora de Portugal, resolveu assinalar os "50 anos dos Beatles", até porque essa data é difícil de determinar.

Só mesmo no nosso burgo!

Quanto muito, no dia 05 de Outubro de 2012 poder-se-á dizer, com rigor, que o primeiro disco dos Beatles, "Love Me Do", faz 50 anos!

Essa sim, é uma data a comemorar!

Para justificar o seu artigo, a revista Sábado alega que foi no dia 17 de Agosto de 1960 que os Beatles deram o seu primeiro concerto como tal.

Ora isso não corresponde nem à verdade nem ao rigor histórico!

O que é verdade, o que é rigor histórico, é que os Beatles (com Stuart Sutcliffe e sem Ringo Starr, como na imagem da autoria de Astrid Kirchherr) inciaram no dia 17 de Agosto de 1960, em Hamburgo, uma série de 48 concertos na sua primeira digressão pela Reeperbahn.

Mas antes disso, já havia muito Beatles!

Basta recordar que John Lennon e Paul McCartney se conheceram no dia 06 de Julho de 1957.

LPA

VICTOR GOMES


"Diário Popular", 01 de Abril de 1966

Já viram os conjuntos yé-yé? Bábulas, Claves, Dandies, Lieders, Falcões, Flechas, 6 Latinos, José Manuel e os seus Rapazes...

Só os Claves editaram discos... dois EPs.

RUA DR. CALADO


Figueira da Foz.

PAJÚ


Cortesia de Aurélio Moreira

SAMPAIO


Sampaio, Sesimbra, Setúbal.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

BURT BACHARACH


A&M RECORDS - AMLS - 1967

Side One

Reach Out For Me - Alfie - Bond Street - Are You There (With Another Girl) - What The World Needs Now Is Love

Side Two

The Look Of Love - A House Is Not A Home - I Say A Little Prayer - The Windows Of The World - Lisa - Message To Michael

Cortesia de João Pinheiro de Almeida

OS BOLEROS DE CASAL


EMI

Com mil desenganos – Alma Mia – Historia de Un Amor – Cenizas – A Donde Va Nuestro Amor – Nieblas - Mar Y Cielo – No, No Y No – Sombras – Que Quieres Tu De Mim – Como La Cigarra

Foi Pedro Almodôvar quem lhe fez a apresentação: “Sapatos Altos” era o filme. Só muito vagamente, de Luz Casal, ouvira falar, mas tinha duas canções na banda sonora que lhe ficaram no ouvido.

Ao tempo, disco da banda sonora ainda não existia, mas conseguiu encontrar “Luz”, onde estavam incluídas as tais duas canções do filme: “Piensa en Mi” e “Un Año de Amor”.

Acabou por gostar de todo o disco e passou a seguir, nas “músicas do mundo”, os passos desta galega de origem.

Há três anos lutou contra um problema cancerígeno. Deu-lhe a volta e decidiu fazer um disco de boleros.

“O apelo visceral destes boleros. Porque quando cantamos canções relacionadas com os sentimentos, sempre nos passa algo por dentro não fica à flor da pele. Mas tive cuidado para não exagerar, porque senão ficaria uma caricatura, não seria verdade. Na música podemos estar à beira da lágrima mas se a lágrima cai isso não é bom, é como um “overacting”.

É preciso calma e distância para cantar uma canção sentindo-a mas não fazendo dela uma ferida.

Porque sangra.

”A vida vale sempre a pena, mesmo que seja uma luta desesperada como a de Luz Casal – tanta outra gente - sim porque, sabe-se, nada disto é um jardim de rosas.

Mas agora soube que Luz Casal cancelou todos os concertos até ao final do ano.

Uma nova luta.

Depois chegará um novo disco… chegará… Vai torcer por isso.

Horas demasiado lentas, dias demasiado rápidos.

Manda descer um charuto, coloca o disco no CD player, e sente um leve arrepio quando a voz de Luz se deixa de ouvir, os metais surgem e os violinos ficam em fundo.

Colaboração de Gin-Tonic

LIZ BREWER, PIONEIRA NO ALGARVE


"The Party Bible", Liz Brewer, Artnik, 2003, 144 págs

Aqui há uns dias, a revista "Visão" publicou uma reportagem sobre o Algarve Yé-Yé e referiu o nome da inglesa Liz Brewer como a pioneira das noites de Albufeira na qualidade de proprietária da primeira boîte local, o famoso 7 e 1/2.

Agosto de 1964. Uma debutante inglesa abrir uma discoteca é coisa estranha na época. Estranha em Londres e ainda mais no Algarve, onde apenas se dança nos hotéis e quase sempre ao som de conjuntos que tocam versões dos êxitos da época.

Quando a elite londrina sabe, por uma coluna de gossip, que a filha de Hugh Gansel Brewer, corretor da City, vai estrear-se no negócio das noites numa aldeia de pescadores portuguesa de que ninguém ouviu falar, assiste-se a uma romagem de curiosos.

Mais de 600 pessoas vão à inauguração, de carro, de barco, de avião privado.

E, a partir daí, o bar 7 e a discoteca 7 e 1/2 estão sempre cheios.

Longe do estereótipo da debutante loira e burra, Liz Brewer sabia o que queria quando convenceu quatro amigos a emprestarem-lhe 2 mil libras cada um para poder comprar e remodelar uma velha adega, em Albufeira.

Com esses 640 contos, ia tentar recriar a famosa discoteca Saddle Room, a primeira que apareceu em Londres, nos anos 50. Em baixo, no 7, ouve-se fado e assiste-se a espectáculos de folclore. Em cima, no 7 e 1/2, dança-se até às tantas da manhã.

Há ainda um terraço com vista para o mar e não faltam os bancos feitos a partir de barris de vinho, iguais aos da Saddle Room, tal como não hão-de faltar os discos com os hits que John Reid, futuro manager dos Queen e de Elton John, traz de Londres às escondidas da alfândega.

Liz encontrara a adega por intermédio do pintor João Bailote, que conheceu na noite em que chegou a Albufeira.


(...)

A adega fica situada a dois passos da praia dos Pescadores - um excelente negócio, acha Liz, antes de o interior ruir às primeiras investidas dos pedreiros. Nada que a desmoralize. O seu jeito para as relações públicas ultrapassa qualquer contratempo e com a ajuda do namorado da altura, Neville Roberts, há-de organizar festas que atraem gente famosa.

Pelo 7 e 7 e 1/2 passam Cliff Richard e alguns músicos dos Shadows, as cantoras Lulu e Cilla Black, ícones dos swinging sixties, Tom Jones e Paul McCartney.

Até aparecer o Sobe e Desce, no Carvoeiro, a casa de Liz não tem concorrência.

Uma rápida busca pelo Google permitiu conhecer um pouco melhor esta mulher audaciosa, hoje em dia ainda uma especialista na organização de grandes eventos.

Liz Brewer é conhecida como the woman who claims to know what everyone who is anyone is doing (and to whom).

"ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO" FAZEM 41 ANOS


"Diário Popular", 16 de Julho de 1969

"Animais de Estimação"
, uma das gloriosas gravações da Filarmónica Fraude, acaba de fazer 41 anos!!!

LARGO DA CAPA ROTA


Moura, Beja.

Colaboração de Fernando Correia de Oliveira

MILO


Colaboração de Alfredo Nunes

terça-feira, 27 de julho de 2010

BEATLES EM COLECTÂNEA


Edição US, Do It Now 5001 (1960s)

Nowhere Man (Beatles) - What Have They Done To My Song Ma (Melanie) - Gimme Gimme Good Lovin' (Crazy Elephant) - So Lonesome I Could Cry (BJ Thomas) . Backfield In Motion (Mel & Tim) - Redhouse (Jimi Hendrix) - God, Love And Rock & Roll (Teegarden & Van Winkle) - Mr. Bojangles (Neil Diamond) - Along Comes Mary (Association) - Somebody To Love (Jefferson Airplane) - Down On Me (Janis Joplin) - Flying On The Ground Is Wrong (Buffalo Springfield) - Minstral From Gault (Richie Havens) - Happy Together (Turtles) - Hey Hey (Kiss Him Goodbye) (Steam) - Artificial Energy (Byrds) - Vehicle (Ides Of March) - When I Was Young (Eric Burdon) - Sunshine Superman (Donovan) - Ooh Child (Five Stairsteps)

Compilação americana, oficial, dos anos 60, que contém uma gravação original dos Beatles, "Nowhere Man".

A edição foi levada a cabo pela Fundação Do It Now, de luta contra o consumo de droga.

Colaboração de Nélio Rodrigues

UMA BELÍSSIMA EDIÇÃO JUGOSLAVA


PARLOPHONE/JUGOTON - SPAR 88911 - edição jugoslava (1967)

Strawberry Fields Forever - Penny Lane

JIMMY CLIFF


CBS - A 3849 - edição francesa (1983)

Reggae Night - Roots Radical

Cortesia de Fernando Correia de Oliveira

PARABÉNS A VOCÊ


RAPSÓDIA - EPF 5174

Parabéns A Você - Faz Hoje Anos - Mãezinha Querida - Vagabundo

Os 3 de Portugal são acompanhados pelo Conjunto de José Galvão.

Colaboração de Pedro Brandão, em Sarajevo

SINGER


Colaboração de Alfredo Nunes

NESTA CASA: VETERINÁRIA MILITAR


Teatro da Luz, Largo da Luz, Lisboa.

LISNAVE


Alcântara, Lisboa.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

3º DISCO (1960)


ORFEU - ATEP 6012 - 1960

Greenfields (Terry Gilkyson/Rich Dehr/Frank Miller) - Era Um Biquini Piquinino Às Bolinhas Amarelas (Paul Vance/Pedro Osório) - Escândalo Ao Sol (Stelner) - Tom Pillibi (André Popp)

Contrariamente ao que se possa pensar, o biquini não foi proibido em Portugal. Nem a mini-saia.

Eis o testemunho recente de uma jovem dos sixties:

Em 63/64, ou talvez antes, lembro-me de já usar bikini sem problemas para além dos comentários idiotas dos parolos. Penso que, tal como a mini-sai, nunca foi formalmente proibido, embora em algumas praias mais provincianas, as mulheres não se atrevessem a vesti-lo.
Pedro Osório não tem grande apreço por esta sua gravação, a primeira da sua carreira. Nas suas "Memórias" escreve mesmo que é "uma nódoa do seu passado":

Uma noite eu e os meus amigos do conjunto chegámos a minha casa vindos de um jantar bem comido e melhor bebido.
Fomos, como de costume, para a sala de música na cave onde decidimos montar uma canção nova. Entre sugestões de três italianas e duas francesas, alguém lançou a ideia do "Itsy Bitsy Teenie Weenie Yellow Polka Dot Bikini".
A desaprovação foi unânime. Até o proponente concordou que era uma americanada pirosa. Para tornar esse facto bem claro começámos a cantá-la com uma versão literal em português e ríamos a bom rir quando alguém propôs que fizéssemos uma versão mesmo para abandalhar.

Ajudados pelos remanescentes vapores do tinto, ao fim de meia hora tínhamos a obra feita e tocávamo-la em gargalhadas.
Pensei que o assunto morria ali e, quando muito, ficaria com uma cantiga para animar a camioneta da próxima excursão do Orfeão Universitário. Uns dias depois, no entanto, as coisas evoluíram num sentido inesperado.

O Arnaldo Trindade era o editor discográfico mais activo do Porto e achava-nos muita graça. Tínhamos-lhe apresentado diversas propostas para gravar um disco, mas ele sempre as recusava porque não tinham originalidade que viabilizasse o projecto.

Até que o Zé Couceiro lhe falou na nossa malparida versão do "Itsy Bitsy..." e o seu aguçado faro comercial fez clique. Disse para arranjarmos qualquer coisa para o lado B que nos gravava um single.

A nossa primeira reacção foi dizer que nem pensar nisso. Era uma javardice, uma canção de de bêbedos, não íamos gravar aquilo. Mas a excitação de pela primeira vez entrar num estúdio, de ter um disco que passasse na rádio e, acima de tudo, a grande capacidade de persuasão do Arnaldo Trindade, acabaram por nos convencer.

E umas semanas depois passámos uma noite no estúdio da RTP - não havia no Porto nenhum estúdio apetrechado para gravação de disco - repetindo "o bikini às bolinhas amarelas" até sair uma vez sem nenhum engano, porque montagem de mais de uma take era coisa que ainda não se fazia naquele tempo.

O disco foi um sucesso enorme que, muitos anos depois, quando eu, já profissional, lutava denodamente pela qualidade do meu trabalho, me era lembrado por companheiros que, entre a brincadeira e o sarcasmo, me recordavam aquele telhado de vidro.

DANÇANDO AO SOL


COLUMBIA - SLEM 2187 - edição portuguesa

Wonderful Life - A Girl In Every Port - On The Beach - A Matter Of Moments

Colaboração de Luís do Ó

DAKOTA, AMIGOS DE JOSÉ CID


GRL - promo only not for sale - 2010

On My Own - Wild Child - Why Don't You Like Me? - Even If You Go Away - She - Heart And Soul - We Get Along - Taking Over - Can't Remember - Closure Song

Os Dakota são uma nova banda britânica (o álbum só sai em Agosto), cujo líder, Ben Talbot, é apadrinhado em Portugal por José Cid.

E porquê?

Porque Ben Talbot é cavaleiro e encontra-se em Portugal a participar num concurso de saltos e conheceu José Cid. A empatia foi imediata: cavalos, música pop.

Ben Talbot, 18 anos, foi o convidado especial de José Cid no concerto da passada sexta-feira no Pavilhão de Paço de Arcos e cantou com playback. A coisa poderia ter saído melhor, mas o promo que Ben Talbot ofereceu é bem interessante: britpop a atirar para os Pulp.

Ah! Ben Talbot manifesta-se fã dos Beatles e explica que o nome da banda se deve ao edifício novaiorquino onde Lennon foi assassinado.

Quanto ao concerto de José Cid, exclamou: "ele é uma lenda viva, não é? Quem me dera chegar assim à idade dele".

DESVENDADO MAIS UM MISTÉRIO DO YÉ-YÉ


COLUMBIA - SPMX 5000 - 1966 (Setembro), edição estereo

Lado 1

Jezebel (Wayne Shanklin) - Si Lo So (Gian Piero Reverberi) - Chove (Sérgio Borges/Carlos Alberto Gomes) - Non Son Degno Di Te (Franco Migliacci/Bruno Zambrini) - Milena (A Da Praia) (Carlos Alberto Gomes/Sérgio Borges) - La Nuit (Salvatore Adamo)

Lado 2

Balada A Uma Rapariga Triste (Sérgio Borges/Carlos Alberto Gomes) - Diz-lhe (Carlos Alberto Gomes/Sérgio Borges) - Stasera Pago Io (Domenico Modugno) - Capri C'est Fini (Hervé Vilard) - Ciao (Gian Pieretti/Carl Sigman/H. Tical) - Hully Gully Do Montanhês (Sérgio Borges/Carlos Alberto Gomes)

Em Portugal Continental (então chamado) este foi, em Setembro de 1966, o primeiro LP da chamada música pop portuguesa.

Não se trata, porém, de um álbum de novas gravações (com excepção de quatro, "Jezebel", "Si Lo So", "La Nuit" e "Stasera Pago Io"), mas de uma colectânea de canções que já tinham sido publicadas nos 2º, 3º, 4º e 5º EPs do Conjunto Académico João Paulo.

Este álbum teve duas edições, uma mono, PMX 5000, e outra estereo, SPMX 5000 (na imagem).

E era aí que residia o mistério deste LP, considerado até por alguns um embuste ou puro marketing, já que não se tratava de um verdadeiro álbum ao vivo.

Eis a explicação de Ângelo Moura, um dos membros do Conjunto Académico João Paulo:

A exemplo do que acontecia com vários artistas europeus como Brel, Bécaud, Adamo, Sylvie Vartan, etc., que editaram LPs denominados "Ao Vivo no Olympia", surgiu a ideia de fazermos o LP dentro dessa base, usando o nome de uma sala de espectáculos portuguesa.

Teatro Monumental era sem dúvida a nossa escolha, já que esta sala tinha sido o local onde tínhamos realizados praticamente todos os concertos.

No entanto surgiam dois problemas: 1º - como evitaríamos os pequenos "percalços" (entenda-se, fífias) que sempre acontecem nos espectáculos ao vivo? 2º - teria a Valentim de Carvalho meios técnicos e humanos para efectuar uma gravação de boa qualidade, ao vivo?

Perante estas dúvidas, o melhor era jogar pelo seguro sendo aconselhável ser feito em estúdio.

Foi feita a escolha das 12 faixas que constariam no LP: nove já estavam gravadas e as restantes quatro ("Si Lo So", "Jezebel", "La Nuit" e "Stasera Pago Io") foram gravadas pela primeira vez.

Faltava o público. Contactámos o Clube de Fãs para que arranjasse cerca de 30 a 50 voluntários para a gravação. Um autocarro alugado tratou do transporte dos jovens voluntários até ao estúdio em Paço D'Arcos.

Já com o alinhamento do LP feito e o "público" presente, restava que o engenheiro de som, sr. Hugo Ribeiro, tratasse da mistura. As músicas eram transmitidas para o auditório e o "público" reagia como era habitual nos espectáculos.

Para finalizar, bastou mais uns retoques de Hugo Ribeiro e estava feito!

Colaboração de Ângelo Moura, do Conjunto Académico João Paulo

PS - Em 1969, mais dois LPs de música pop portuguesa viriam a ser editados, esses sim de originais, "Epopeia", da Filarmónica Fraude, e "A Peça", do Pop Five Music Incorporated, curiosamente dois álbuns conceptuais. Portanto, ambos pioneiros.

Como quer que seja, o primeiro LP português de música pop é uma edição moçambicana também do Conjunto Académico João Paulo.

SWINGING SIXTIES


Um dos meus brinquedos nos swinging sixties.

domingo, 25 de julho de 2010

FUERZA!


VIRGIN - 724384994723 - 2000

La Trampa (Tonino Carotone & Manu Chao) - Me Cago En El Amor (Tonino Carotone) - Amor Pa' Mi (Sergent Garcia) - A Lo Cubano (Orishas) - H.I.V.? (Color Humano) - Hasta Siempre (King Mafrundi) - La Raiz (Macaco) - La Cha Cha Cha (Dusminguet) - Qué Humanidad! (Eliades Ochoa) - Peligro (Mano Negra) - Decadencia (El Grand Silencio) - Urrun (Fermin Muguruza) - Hasta Llegar (Les Negresses Vertes) - Hi Hello (Anouk) - El Destino (Amparanoia (El Destino) - Kid Chocolate (PI8) - La Flaca (Jarabe de Palo)

WE LOVE THE VERNONS GIRLS


RPM RECORDS - RETRO 868 - 2010

Lover Please - You Know What I Mean - Dat's Love - Be Nice To Him Mama - Don't Wanna Go - The Loco-Motion - See For Yourself - Funny All Over - Do The Bird - I'm Gonna Let My Hair Down - Stay-At-Home - He'll Never Come Back - Mama Doesn't Know - Just Another Girl - Tomorrow Is Another Day - Why Why Why - Hey Lover Boy - Stupid Little Girl - We Love The Beatles (Beatlemania) - Only You Can Do It - It's A Sin To Tell A Lie - Don't Say Goodbye

As Vernons Girls eram originalmente um coro de 70 vozes dos anos 50 em torno de uma casa de apostas desportivas de Liverpool. Daí a fixação pelos Beatles ("We Love The Beatles").

Depois, em 1962, reduziram-se a um trio, com Maureen Kennedy, Frances Lee e Jean Owen (mais tarde, Samantha Jones).

Nos Estados Unidos, chegaram a editar um álbum de homenagem aos quatro de Liverpool, o primeiro de sempre.

Pelas Vernons Girls passaram, por exemplo, Lynn Cornell, casada com Andy White, que substituiu Ringo Starr na gravação de "Love Me Do", Vicky Haseman, casada com Joe Brown e mãe de Sam Brown que gravou com George Harrison, Jean Owen, mais tarde conhecida como Samantha Jones, Joyce Baker casou com Marty Wilde.

As Vernons Girls são a vozes femininas em "Hey Joe", de Jimi Hendrix.

Duas ex-Vernons Girls, Lyn Cornell e Betty Prescott, formaram depois as Carefrees, nos Estados Unidos, e gravaram "We Love You Beatles", obrigando as Vernons Girls a rebaptizar o seu "We Love The Beatles" de "Beatlemania" para evitar a óbvia confusão.

OS BEATLES E AS VERNONS GIRLS


Michael Robson, autor das notas de capa da mais recente compilação das Vernons Girls, defende a tese de que "I Saw Her Standing There" foi originalmente oferecida por Lennon ao grupo feminino, mas recusada.

MERRY CHRISTMAS, BABY!


OLIVEIRA DE FRADES-MARROCOS


Erg-Chebbi é a maior duna de areia de África!

Colaboração de Nuno Pinheiro de Almeida

O MELHOR FONDUE DE CARNE DO MUNDO


Restaurante Angelus, Santana, Sesimbra.

sábado, 24 de julho de 2010

PIANO DE "PAPERBACK WRITER" À VENDA


The piano on which the Beatles recorded “Paperback Writer” in London's Abbey Road studio is heading to the auction block.

Carrying a high-estimate of $152,168, the piano was used by a host of other musicians including Pink Floyd and it bears the marks to prove it. It's covered in scratches, cigarette burns and coffee stains - but that just adds to its historic appeal.

"I think it is the first instrument from the Abbey Road Studios to come on the open market," revealed Stephen Maycock, the consultant specialist for Beatles memorabilia at Bonhams auction house.

Retired from professional use in the 80s, it will be sold on August 15 at the Vintage Goodwood festival in West Sussex, southeast England.

William Stolerman/Fernando Correia de Oliveira

CONTRALUZ


Fui ao cinema e confesso que estou emocionado.

Fui ver "Contraluz (Backhlight)" de Fernando Fragata e devo confessar que há muito tempo não saia tão impressionado pela positiva com um filme.

Estou absolutamente convencido que este filme vai dar que falar, pois merece e mais não digo para não tirar o interesse. Mas acreditem que fiquei agarrado à cadeira até ás últimas imagens.

Estou certo que ninguém ficará indiferente
.

Colaboração de Daniel Bacelar

GARY WRIGHT


LARKIO MUSIC - 2010

Satisfeied - Get Your Hands Up - Under Your Spell - No One Does It Better - Can't Find No Mercy - Life's Not A Battefield - Gimme Some Time -Connected - Kirra Layne - You Make Me Feel Better

Ex-Spooky Tooth, Gary Wright, 67 anos, foi um dos bons amigos de George Harrison com quem trabalhou, por exemplo, em "All Things Must Pass" e "Living In The Material World", e nos Splinter.

George Harrison, por ser turno, está em álbuns de Gary Wright, como por exemplo, "Who I Am" (1988), ou na colectânea "Best Of", de 1998.

Há uns dois anos, Gary Wright mandou-me um email revelando que por volta de 1972 tinha estado de férias com George Harrison no Algarve.

Gary Wright também participou em discos de Ringo Starr, como "It Don't Come Easy", "Back Off Boogaloo" e "Peace Dream" (que co-escreveu) e este ano faz parte dos All-Stars, de Ringo, que já anda na estrada.

Aliás, Ringo participa neste álbum, o primeiro de originais de Gary Wright em 23 anos, na faixa "Satisfied".

Esta é a versão pobretanas de "Connected", mas há uma deluxe digital version, com participações de George Harrison: "To Discover Yourself" (que Wright, letra, e Harrison, música, escreveram em 1971) e "Never Give Up", gravado em 1989 com George na guitarra.

É um mistério por que razão esta duas canções não estão no CD.

Depois queixam-se de que não vendem discos...

"CRÓNICAS DA AMÉRICA" NA RÁDIO


As "Crónicas da América", de Luís Mira, são hoje objecto de extensa reportagem radiofónica da autoria de Luís do Ó.

Ver informações aqui.

MAIS SEGREDOS DO ROCK PORTUGUÊS


Esta é a Orquestra Ligeira do Orfeon Académico de Coimbra, formada por António Portela, Joaquim Caixeiro, Rui Ressurreição, José Cid e Daniel Proença de Carvalho (1958-1960).

São 24 minutos e 38 segundos de ensaio que José Cid teve a cortesia de me oferecer.

A maioria das canções são versões de clássicos, mas há uma canção original, "Coimbra Antiga", uma das primeiras compostas pelo autor de "A Lenda De El-Rei D. Sebastião".

Coimbra antiga
Junto ao Choupal em flor
Cidade amiga
Onde encontrei o amor
Junto ao Mondego sem par
Sombras a passar
Cidade a subir
E um estudante a cantar
À luz do luar
Eu vou partir
Mas levo em mim
Adoração e saudade
Como recordarei
A tua Universidade


José Cid revelou-me também que a sua primeira composição de sempre se chama "Andorinha", mas que nunca chegou a gravá-la e que a sua primeira composição gravada chama-se "Comboio", na interpretação dos Álamos.

José Cid garantiu-me também que não existem gravações dos Babies, primeiro grupo yé-yé português, nem da versão original de "A Lenda De El-Rei D. Sebastião", cortada pela Censura, com o verso inicial "Fugiu de Alcácer Quibir".

Uma surpresa: José Cid tem uma nova e fantástica canção, "Cavalos de Fão", construída sobre "Homburg", dos Procol Harum.

Luís Pinheiro de Almeida

sexta-feira, 23 de julho de 2010

TONICHA


POLYDOR - 2063 - 1976

O Menino (Ary dos Santos/TóZé Brito/Mike Sergeant) - Um Grande Amor (TóZé Brito/Ary dos Santos/Mike Sergeant)

Arranjos e direcção de orquestra de Mike Sergeant, produção de TóZé Brito.

Cortesia de Francisco Marzia

DÁRIO DE BARROS


ESTÚDIO - EEP 50.179

Olhos Marotos - Sonho Afadistado - Quatro Verdades - Imagem da Saudade

Entre os músicos que acompanham Dário de Barros nesta gravação contam-se António Chainho (guitarra), Prof. Martinho D'Assunção (viola) e Luís Moutinho (bateria).

Som de Moreno Pinto.

ÓCULOS DE SOL


João Megre, ex-MDA, prepara afanosamente no seu estúdio, Big Bit, a colectânea de Verão, "Óculos de Sol".

JOSÉ CID HOJE EM PAÇO DE ARCOS


VIVA O NATAL!


Cortesia de Aida Santos

quinta-feira, 22 de julho de 2010

GIGLIOLA CINQUETTI


SEVEN SEAS - OH-17 - edição japonesa em gatefold e 33 RPM (1972)

Gira l'Amore - Rose Nel Buio - Dio, Come Ti Amo - L'A Pioggia

MOZAMBIQUE


CBS - 4113 - edição portuguesa

Mozambique - Oh, Sister