sexta-feira, 30 de maio de 2008

BOYS


Como é consabido, o primeiro conjunto yé-yé português formou-se em Coimbra, em 1958, com José Cid (rabecão, piano e voz), António Portela (piano e acordeão), António Igrejas Bastos (bateria e voz) e Rui Nazaré (guitarra).

Chamava-se Babies. Teve uma carreira curta, sem disco editado.

in "As Lendas do Quarteto 1111", António Pires, Ulisseia, 2007
Mas o primeiro conjunto yé-yé a sério em Coimbra - que eu saiba - foram os Boys, formados em 1964 com Vítor Manuel, 23 anos, vocalista, Luís Paula de Matos, 19 anos, viola-ritmo, Alexandre Reboxo Vaz, 17 anos, viola-baixo, Carlos Correia, 18 anos, viola-solo e António Lima, 21 anos, bateria.

António Figueiredo, 19 anos, era o técnico de som.

Na primeira vez que se apresentaram ao vivo em Lisboa, no Teatro Monumental, no dia 06 de Novembro de 1965, venceram a 11ª eliminatória do Concurso Yé-Yé.

Com casaco, calças e laços pretos e camisa branca, os Boys interpretaram "I Feel Fine", dos Beatles", "A Groovy Kind Of Love", dos Mindbenders, "Bongo Blues", dos Shadows, e "Satisfaction", dos Rolling Stones.

Com 33,5 pontos, venceram os temíveis Chinchilas, de Carcavelos, (com Filipe Mendes, Vítor Mamede, Mário Piçarra...), os Bábulas, de Lisboa, os Neptunos, do Montijo, os Príncipes do Ritmo, de Queijas, Carnaxide, e os Monarcas, de Almada, estes últimos com um "vocalista troglodita, vestido de serapilheira, à maneira dos homens das cavernas".

in "Rádio & Televisão", de 04 de Dezembro de 1965
Os Boys apresentaram-se depois no Monumental no dia 15 de Janeiro de 1996 para a segunda meia-final do Concurso, mas ficaram em último lugar.

Cá para mim, fazendo jus à irreverência dos estudantes de Coimbra, estavam todos bêbados em palco, depois de terem colocado um fardo de palha no Terreiro do Paço para o cavalo de D. José não morrer de fome.

Foram batidos pelos Saints, futuros Claves e grande vencedores do Concurso, Jets, de Lisboa e de João Alves da Costa, Tubarões, de Viseu, Cometas Negros, de Castelo Branco, e Kímicos, de Lisboa.

Faltaram os Monstros, de Lisboa, e os Krawas, de Évora.

Os Boys, sem gravar qualquer disco, duraram até ao final de 1966, dando então lugar ao Conjunto Universitário Hi-Fi.

3 comentários:

daniel bacelar disse...

Meus queridos amigos
É com uma certa saudade que revejo sempre estas fotografias e os diversos artigos referentes a uma época que infelizmente não volta mais.
É engraçado que aida mantenho contacto e laços de amizade com malta desta época (ainda a semana passsada estive a almoçar com 4 dos CLAVES)e confesso que não quero parecer "o velho do restelo",mas realmente antigamente havia uma solidariedade que hoje desapareceu.
Felizmente,hoje em dia ainda há meia dúzia de malucos que tentam reunir-se e recordar todas essas coisas que nos fôram caras,mandando para trás das costas velhas rivalidades (artísticas,claro!!)e curtindo o momento com verdadeira amizade e muita saudade.
Claro está que a maior parte dessa gente,seguiu outros caminhos profissionais,hoje estão alguns melhor do que outros,mas a chama mantêve-se acesa,como é o caso dos nossos almoços com "oa maluquinhos dos blogs" (como eu lhes chamo) e que são sempre tão agradáveis pelo convivio.
Outros seguiram a sua veia artistica,e continuaram a lutar num país que vulgarmente trata tão mal os seus filhos (não é por acaso que estamos nesta tristeza há 33 anos,...não falando no resto,claro)
Não sei se sabem,mas a orquestra do Casino Estoril foi extinta e o Júlio César e a Rita Guerra já tinham levado com os penantes há tempo.
Eu sei que tudo tem de evoluir,mas duvido que o Casino possa dispensar uma ORQUESTRA.
Querem gente nova ,e os velhos que se lichem!!!Deve ser isso!!!!
De qualquer maneira,o que me choca além deste despedimento em bloco,é que o sr.que está á frente dos destinos do dito Casino,(toda a gente sabe quem é,e por quem diga-se de passagem...tinha grande consideração)é advogado (um tecnocrata,pelos vistos)mas fêz parte durante muitos anos do "Quinteto Académico",portanto acabou por meter a solidariedade na gaveta (retrato do país em que vivemos)e pôz ao fim de não sei quantos anos o pessoal na rua,com familias e obrigações a sustentar.
Com certeza que não me vêm dizer que de repente deixaram de saber tocar (tudo profissionais de 1ª categoria).
Desculpem este desabafo,claro que eu nunca conseguiria ser administrador do Casino do Estoril,pois não teria cara para fazer estas figuras,mas não há dúvida que "o vil metal" é uma chatice.
Desculpem também o tempo que vos ocupei,mas é bom termos a noção que Portugal não é "Alice no Pais das Maravilhas" mas pelo menos no meio desta pulhice toda,safam-se os "nossos almocinhos" e quem os frequenta ,(Pena é que não sejam pelomenos todos os meses,,,,Oh Luis vê lá isso!!!!)

blg disse...

Homenagem aso Cometas Negros no dia 15/nov/2008

http://www.reconquista.pt/noticia.asp?idEdicao=151&id=9731&idSeccao=1464&Action=noticia

http://www.reconquista.pt/noticia.asp?idEdicao=150&id=9527&idSeccao=1453&Action=noticia

http://mostraivos.blogspot.com/2007/11/cometas-negros.html

Anónimo disse...

Deu hoje na RTP um pequeno apontamento de reportagem relativamente aos Cometas Negros. O espírito yé-yé anda no ar.