segunda-feira, 9 de abril de 2018

OB-LA-DI, OB-LA-DA - HÁ 30 ANOS!


Este é o alinhamento da primeira emissão do programa "Ob-La-Di, Ob-La-Da", na RFM, única e exclusivamente com a música dos Beatles, e que foi para o ar no dia 09 de Abril de 1988, faz hoje 30 anos!

Ironicamente, a primeira emissão começou logo com uma semi-mentira, a qual só viria a ser deslindada em 2001 com a publicação do livro "A Secret History", de Alistair Taylor, assistente de Brian Epstein e o "senhor faz-tudo" dos Beatles.

Quando todo o mundo Beatle acreditava que um tal jovem Raymond Jones entrara na discoteca de Brian Epstein, em Liverpool, a pedir "My Bonnie", de uns tais Beatles, e que tudo começara aí, eis que Alistair Taylor, certamente com um sorriso maroto nos lábios, veio já no séc. XXI contar que não fôra bem assim:

I got so fed up with people asking if we had a record of "My Bonnie" by the Beatles and having to say No that I put through an order for it myself under a name I simply dreamed up. Brian refused to order records unless there was a firm order. Once there was an order, Brian's claim was that if the record existed, anywhere in the world, we could get it.

The famous story is that a guy called Raymond Jones came into the shop and asked for a record by the Beatles. I know that I invented the name and put it into the order book. But now Liverpool people claim tpo know "the real" Raymond Jones and a chap with that name can miraculously recall placing the order. Rubbish. It was a name I picked at random because I wanted to get this bloody Beatles record that people kept asking about.

in
"A Secret History", Alystair Taylor, John Blake Publishing, 2001, pág. 16

"Ob-La-Di, Ob-La-Da" esteve no ar até ao dia 16 de Junho de 1991, com um total de 165 emissões, equivalentes a 165 horas só com a música dos Beatles.

7 comentários:

Edu disse...

Caro Ié-Ié:

estou um bocado confuso...
De acordo com o livro "The Beatles - 10 Years That Shook The World", uma edição conjunta da revista "Mojo" e da editora DK (Dorling Kindersley), publicado em 2004, pode ler-se na página 21 que houve um jornalista que não acreditou nesta história do Alystair Taylor e após alguma investigação descobriu o tal Raymond Jones, que por acaso vive actualmente numa quinta em Espanha.
Quando Brian Epstein publicou a sua autobiografia, foi enviada uma carta a este Raymond a oferecer-lhe uma cópia da autobiografia e agradecendo-lhe "the tip" (a dica) de ele em Outubro de 1961 ter ido à NEMS procurar (e ter feito a encomenda) o single "My Bonnie".
Na página 20 do livro citado está uma foto do "famoso" Raymond Jones.

ié-ié disse...

Vai ser outro mito na história dos Beatles. Parece-me que é a palavra de Alistair Taylor contra a de Spencer Leigh. Para lhe dizer a verdade, tendo mais para o primeiro, até porque já tive uma experiência menos positiva com Spencer Leigh.

Paul is dead?

LT

josé disse...

O programa passou sempre músicas dos Beatles e muito jeito me deu ouvir o que ainda nem conhecia.

Mas agora ocorreu-me: numa época em que o cd ainda era novidade de quem eram os discos em vinil que passavam no programa?

ié-ié disse...

todos nossos e ainda os temos, claro!

LPA

josé disse...

Bem riscadinhos, adivinho...ahahaha.

Mas foi obra, de facto. Hoje já não há dessa carolice. De resto nem seria preciso. Com uma boa gravação digitalizada dos lp´s ou com as versões em cd, tudo se faz, agora.

Outros tempos.

Abraço.

ié-ié disse...

José, agora tenho um apontamento semanal de uns 10 minutos (conversa e uma canção) ainda na RR (às 21H30 das sextas - quando não há futebol) que também me dá muito gozo. Não há hipótese de vinil, mas não é impossível! Tudo agora é digitalizado, levo o CD e eles passam para o computador. Se só há vinil eles passam para digital, mas torcem o nariz, por isso não abuso, não perdendo qualidade. temos de viver com o que temos, eheh!

abraço.

LPA

josé disse...

Vou procurar ouvir isso. Haverá podcast disponível, para se ouvir já?

O David Ferreira passa todos os Domingos a sua "cena do ódio" na Antena 1 a partir das 11 da manhã e é agradável de ouvir.

Hoje poderia gravar-se em casa um ficheiro digital em alta resolução, melhor que o cd e passá-lo no rádio, depois.

Se lá tiverem leitor, mas qualquer computador o fará com o software adequado e...gratuito.

Boa noite.